Páginas

Revira e voltas

 Mais uma vez estou escrevendo enquanto penso olhando pela janela do carro. Mais uma vez estou pensando em você, em mim, em tudo isso que vivemos chamando de nós. Ser nós é complicado. Até por que nós só existimos quando lhe perguntam "e aquela sua amiga?" e você diz que nós somos só amigos. Nós só existimos aqui dentro da minha cabeça.

 Essa história começou e ainda está errada. Eu te gostava e você  começou a namorar, depois vice-versa, e agora voltei ao começo. Tudo isso me parece um filme, mas  ainda não achei o ponto final com felizes para sempre. 

 Sabe quando eu comecei a desgostar de você? No dia em que nós estávamos indo sair e você me ligou dizendo que não podia por que não estava muito bem. Fui com nossos outros amigos, mas a vontade de estar com você era tão grande que eu fui até o seu apartamento. Eu era a única pessoa que você confiava para dar a chave extra e eu sai entrando (até por que se você estive tão mal assim, talvez não conseguisse levantar da cama), te chamei duas vezes e você não respondeu. A porta do seu quarto estava quase fechada e dava para ver sua cama pela fresta, e ai eu vi vocês dois. Sai de lá, apertei o botão do elevador algumas vezes - como se isso fizesse ele chegar mais rápido -, sai do roll e peguei um táxi. Quanto mais longe eu estivesse de você, melhor, ou eu pensei que ficaria melhor.

 Foi nessa época que você começou a me perguntar se tinha acontecido alguma coisa. Então, eu estava me afastando para te esquecer. Acredite, não foi fácil. Tudo me fazia lembrar de você ali, com ela, mentindo para mim, me deixando preocupada por caprichos. Foi hipocrisia você inventar doença só para dormir com alguém.

 Ai conheci Enzo, um típico nerd, que por incrível que pareça gostava das mesmas coisas que eu. Gostava de Caetano, Lulu, Cássia e usou Leoni para trilha sonora do nosso primeiro beijo, gostava do meu óculos de grau, que segundo ele, me deixavam com cara de professora ou secretária, e das minhas unhas vermelhas. Tocava violão, assistia comigo as minhas comédias românticas, não reclamava quando eu estava de tpm e me adorava por eu gostar tanto de futebol. Levava chocolates para mim sempre, fazíamos fondue e bebíamos muito vinho. Eu estava mesmo gostando de ficar com ele, ai você volta, dizendo que havia terminado com Lídia e que precisava de mim.

 Conversamos bastante e eu vi o quanto você realmente gostava dela e por mais que o bichinho do ciume estivesse me picando, eu apenas ia deixar. Começamos a sair outra vez, você conheceu Enzo e ele te conheceu. Coitadinho, morria de ciumes do meu ex amor. 



 No dia do nosso aniversário de namoro, ele foi a minha casa com vinhos e comidas deliciosas a fim de comemorar comigo e eu simplesmente esqueci. Não achei que fosse uma data especial por que ele sempre me fazia surpresas. Entre uma de nossas conversas ele me perguntou de você, se já havia rolado algo entre nós e coisas do tipo. Respondi e ele ficou surpreso, como se não acreditasse que pudéssemos ser apenas bons amigos. Conversa vai e conversa vem e quando vi estávamos brigando. Enzo saiu porta a fora e não atendeu o telefone. Te liguei e você veio. Te contei meias verdades e você fez um carinho na minha bochecha, e ai Enzo apareceu pela porta.

 Foi na mesma rapidez do dia que sai correndo do seu apartamento, ambos fomos embora com o coração partido e você estava envolvido nas duas histórias. Destino, azar, tanto faz.

 Enzo nunca retornou minhas ligações, nunca respondeu os meus e-mails e nunca soube que chorei por ele. Você se aproveitou da minha fragilidade e carência para se aproximar e me beijou a primeira vez ao som de Jonathan Clay e a trilha sonora que nos envolveu nesse mesmo dia, enquanto estávamos na cama, era John Mayer. 

 Tudo aconteceu rápido demais, ficamos juntos apenas uma noite e para variar você ainda não ligou. Você ainda estava apaixonado por mim, e sinceramente eu só estava carente. Carente o bastante para acordar na cama de um canalha como você, daqueles que não se dá para corrigir. Ou melhor dizendo, só você mesmo conseguiria se corrigir. Eis que meu telefone toca...

 E assim, vi em você um homem. O homem que nunca enxerguei nessa veste de garoto. Me surpreendendo, mostrando que por baixo dessa carapuça de lobo mau estava o príncipe -nada- encantado. O tempo passa, a maturidade aparece e o amor se mostra maior. Enzo e Lídia são apenas lembranças do que um dia se tornou a nossa revira-volta...


2 Opiniões:

  1. Bonito o texto, boa sorte com a sua condição espero tudo de bom para você. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Josue, bem vindo ao Good Plan!

      Excluir

Curtiu?

 

© Cantinho do Blog. Todos os direitos reservados.Imagens: Valfré